HALL DA FAMA    MERCADO DA BOLA    ATLETAS    JOGOS DO DIA    ESCOLINHAS
Usuário:    |  Senha:  
 
   
 
  03/02 - TAÇA REDEGOL DE FUTEBOL 7 - VAMOS VIVER JUNTOS ESSA EMOÇÃO?      |      03/02 - COMEÇOU A COPA DO MUNDO REDEGOL DE FUTEBOL 7 - 2021  
NOTÍCIAS

Data: 04/11/2021
Essa notícia foi lida 167 vezes

  

Conheça Júlia Correia, jogadora de futebol

futebol é o esporte mais popular do Brasil e do mundo. No entanto, ao falar sobre a participação das mulheres, muitos abordam apenas a desigualdade entre as modalidades masculina feminina, além da disparidade entre as cifras, valores, audiência e infraestrutura das categorias. A última edição do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), por exemplo, comparou os investimentos que os clubes dão para Neymar, maior jogador do país na atualidade, e Marta, melhor jogadora da história do futebol, por exemplo.

Por conta desta disparidade, há inúmeras meninas que têm seu sonho interrompido por não conseguir um lugar para praticar o esporte ou chegar a uma categoria em que não há time feminino. Porém, cada vez mais, há exceções que quebram o senso comum e, mesmo com as dificuldades, conseguem se destacar, como por exemplo Júlia Correia de Oliveira. A sergipana de 10 anos é a única menina que joga campeonatos federados nas categorias masculinas em todo o Nordeste.

Atualmente, a atleta nascida em Aracaju (SE) atua por quatro equipes e duas modalidades simultaneamente. No futsal, ela se divide entre o Rocketpower (Aracaju) e o Fênix São Caetano (São Paulo). Já no campo, a garota defende o Esporte Clube DelRey (Aracaju) e o Centro Olímpico (São Paulo).

                                                                (Reprodução/@sigaredegol)

Como tudo começou

Com apenas seis anos de idade, Júlia deu seus primeiros chutes na “escolinha do tio Edson”. Como a criança logo se destacou por sua habilidade fora da curva, foi atuar no futsal pelo Rocketpower e no campo pelo Esporte Clube DelRey. Pela ausência da categoria feminina na modalidade, ela teve que treinar e jogar com os meninos.

Aos sete anos, os torcedores que assistiam ao Campeonato Sergipano de Futsal Sub-7 se surpreenderam com uma menina que jogava no meio dos garotos. Foi neste torneio, em 2018, que Júlia apareceu dentro de quadra pela equipe do Rocketpower e despertou a atenção de todo o público com suas jogadas. Mas o fato de ser a primeira garota a disputar uma competição oficial em um time masculino na região não foi seu maior troféu. Ela também recebeu o prêmio de destaque do ano pela Federação Sergipana após suas exibições.

Representatividade

A atleta conta que suas atuações e sua história ajudam diversas outras meninas a seguirem seus sonhos no esporte. “Eu fico muito feliz por representar as meninas no futebol e por fazer com que elas sigam seus sonhos. Eu recebo muita mensagem de mulheres e meninas que começaram a jogar por minha causa. Eu só espero que tenha cada vez mais oportunidades para meninas entrarem no futebol, porque nós estamos buscando o nosso espaço”, diz.

Mesmo com a carreira despontando, Júlia reconhece que as mulheres não têm o destaque merecido. “Se eu esperasse abrir uma categoria feminina da minha idade em Aracaju, estaria até hoje sem jogar”, afirma.

                                                                     (Reprodução/@sigaredegol)

Pai empresário da garota, José Luiz Góes de Oliveira vê o futuro do futebol brasileiro feminino nos pés de Júlia. “Tenho certeza de que lá na frente ela vai colher o que está plantando, assim como a geração de Marta, Formiga e Cristiane. Ao mesmo tempo, sinto pelas outras que não tiveram a mesma oportunidade que Júlia tem. Se olhassem com bons olhos, o futebol feminino estaria em um outro nível”, fala o “Zezo”.

O dentista assume que deixou de trabalhar algumas vezes para ajudar sua filha a correr atrás de seus sonhos. Entretanto, os sacrifícios valeram a pena, pois “Ela se diverte jogando bola e a evolução é nítida. Tenho muito orgulho da minha filha”.

Graças ao seu talento raro, a garota conseguiu se ir ao estado de São Paulo para se juntar à seleção do time de campo do Centro Olímpico. Após um curto período de tempo, o toque especial na bola ajudou Júlia a receber uma proposta com bolsa de estudos para treinar Futsal pela Escola Fênix São Caetano. Depois de quatro anos jogando apenas com homens, a atleta agora tem a oportunidade de dividir os gramados e as quadras com outras meninas que compartilham do mesmo sonho.

Por Matheus Macarroni/culturauol.com.br





LEIA TAMBÉM!

Com aval da CBF, clubes anunciam criação da Liga Feminina de Futsal
Competição terá a participação de 12 equipes com previsão de início em abril deste ano
Batalhão da Restauração apoia evento Copa do mundo Redegol de Fut 7
Aconteceu, no último domingo, 20, mais uma competição da Copa do Mundo Redegol.
Champions League Redegol de Fut7 Feminino
No dia 12 de Dezembro de 2021, dia do encerramento da Champions League Feminina
COPA DO MUNDO REDEGOL FEMININA 2022
No último sábado, 29 de janeiro, demos início à Copa do Mundo Redegol de Fut 7 Feminino
TAÇA REDEGOL DE FUT7 DE BASES
Nos dias 20 e 21 de Novembro, ocorreu a Taça Redegol de Fut7 nas categorias sub10 e sub 12

CRAQUE DA RODADA
ENQUETE

O que você mais curte na Redegol?






Qual o esporte que está faltando na Redegol?




RANKING


PARCEIROS


Copyright© 2022 REDEGOL.